Colunas – Fred Ribeiro

2 - Terça

 
 

– Crunch Master – Aura Custom Shop!

 
 DSCF2045DSCF2047
 

Fala galera! A dica da vez é esse pedal da Aura Custom Shop, antiga Victoria Custom Shop, o Crunch Master!

A Aura é uma empresa nacional que faz pedais e amplificadores de boutique hand made!

O Crunch Master é um pedal Hi Gain baseado no MI Crunch Box. Inclusive no visual com a caixa vermelha e knobs parecidos. Mas na minha opinião ele vai além!

A Aura concebeu um pedal muito versátil servindo à timbres de distorção mais clássicos chegando até em um ganho alto, próprio para sons mais brutais!

Além disso, o Crunch Master pode ser considerado como dois pedais em um! Pois ele possui um Boost independente, que pode ser usado mesmo com o canal crunch desligado. Você pode usar só o efeito do Boost para empurrar o sinal da guitarra para seu amp, gerando um timbre “clean cruncheado”, somando com o drive de seu amp ou outro pedal de drive para ganhar mais peso ou usar juntamente com canal crunch acionado, conseguindo mais volume e presença nos solos!

A caixa é feita em alumínio baseada em estruturas da Fulltone e revestidas com pintura epoxi. Os componentes são todos importados.

Uma sacada bem legal é que os pedais Aura vem em embalagem única revestida com HQs e pelúcia interna. O que os torna bem colecionáveis!

Mais informações:

https://www.auraamps.com/

 
 

– Cabo KIRLIN para guitarra!

 

Para quem está procurando um bom cabo para guitarra aí vai uma dica! Comprei recentemente um cabo da KIRLIN Cable da série premium plus e me surpreendi com a qualidade!

A Kirlin é uma empresa americana especializada em cabos e acessórios de alta qualidade para áudio e vídeo. O Kirlin Premium Plus é feito com condutores de cobre de alta qualidade livres de oxigênio (OFC – oxygen-free copper conductor). Possui contatos banhados a ouro e blindagem de 95% contra interferências eletromagnéticas.

Essas características garantem realmente um som limpo e “verdadeiro” ao instrumento sem imprimir uma característica sonora artificial. Tem mais informações no site: http://www.kirlincable.com

81e4XKdZaHL._SL1500_              81wvu-y9pgL._SL1500_

 

– Rode NT2-A!

 

A Rode Microphones é uma empresa australiana que se consolidou desenvolvendo microfones de alta qualidade, dentro de uma categoria de médio a baixo custo. Trazendo uma opção confiável e de ótima relação custo x benefício para o mercado de estúdios de projeto, estúdios de médio porte e broadcasting. O Rode NT2-A surgiu para substituir o modelo NT2, com um projeto completamente diferente.

O NT2-A é um microfone multi-polar extremamente versátil. Em seu painel temos o seletor de polaridade que pode ser configurado em cardióide, figura 8 e omnidirecional. Além de duas opções de filtro low-cut em 80Hz ou 40Hz e também duas opções de atenuação, em -5dB ou -10dB. A qualidade da construção é muito boa! Com o corpo em metal e bom acabamento.

As especificações do NT2-A indicam resposta de frequencia de 20Hz a 20KHz, impedância de saída em 200 Ohms, máximo SPL 147 dB e sensibilidade -36.0dB (reference 1 Volt/Pascal).

Mas vamos ao que interessa! Como ele se comporta em ação?!

Nas minhas experiências já usei o NT2-A para captar violão, amp de guitarra, percussão, ambiência de bateria e é claro voz! Tentando explicar na prática a sonoridade característica do mic, sinto que ele tem boa compressão natural e para meus ouvidos percebo uma presença moderada de frequência por volta dos 3KHz e entre 100Hz e 200Hz.

Consegui resultados memoráveis gravando amp e gabinete de guitarra (dos mics que tenho é o meu preferido), ambiência de bateria captando o som da sala em mono (já usei em figura 8 e omnidirecional) e vozes potentes, com vocalistas de rock!

O NT2-A segura bem a onda e o recurso de atenuação em -5dB funciona! Pois às vezes é necessário alguma redução de ganho, mas não tanta como em -10dB, que é o padrão na maioria dos microfones. Ou como em -20dB, característica da maioria dos pads presentes nos pré-amps de microfone.

Mais informações: http://www.rodemic.com

ROD NT2A LIST

 

– Cuidado para não se viciar em equipo!

 

Dos primórdios da gravação e produção musical para os dias de hoje constatamos que MUITA coisa mudou! A tecnologia evoluiu! Entramos na era digital, o que permitiu o surgimento da gravação em softwares de computador e o desenvolvimento de todo um aparato de periféricos como equalizadores, compressores e processadores de efeitos no mundo virtual. O que inegavelmente democratizou o processo. Pois no passado para que um artista pudesse gravar seu trabalho, de forma profissional, era preciso investir muito dinheiro já que existiam poucos estúdios e estes eram muito caros.

Hoje temos uma infinidade de novos equipamentos sendo desenvolvidos e lançados no mercado a cada ano. Em todas as faixas de preços. As grandes marcas já desenvolvem séries mais acessíveis pensando nos estúdios de projeto e home studios. O que dá condições de conseguirmos uma excelente qualidade de áudio gravando em estúdios menores e consequentemente gastando bem menos.

Contudo, penso que devemos ter prudência na hora de consumir e utilizar essa tecnologia! Com tantos recursos é muito fácil se perder. Percebo que muita gente entra na onda do que chamo de “gear man”. Quando o cara está sempre comprando periféricos principalmente plugins novos e não consegue usar o “equalizador x” ou o “compressor y” mais do que duas vezes. Ou seja, está sempre experimentando.

Pessoal! Experimentar é super válido e necessário, mas é muito importante saber usar uma ferramenta por completo aproveitando ao máximo todos os recursos que ela dispõe! Só assim é possível desenvolver uma concepção própria de trabalho. Quando fiz o curso de Técnicas de Gravação com o Fábio Henriques, ele dizia que o melhor equipamento é aquele que você domina. Cada vez mais percebo essa verdade. Quando você tem domínio sobre o equipamento é você que está no comando e quando isso acontece a mente fica livre para se preocupar com as questões criativas e artísticas. Caso contrário o seu foco vai estar sempre nos botões!

Concordo que é legal experimentar um plugin novo ou algum equipo analógico! Mas se você estiver usando algo novo a cada trabalho metade do esforço vai estar em aprender como o equipamento funciona. O que faz com que se gaste mais tempo mixando ou gravando. Além disso, volto a ressaltar que quando o seu foco está nos botões a parte artística fica em segundo plano!

Aprendo a cada dia que independente do equipamento usado em um trabalho devemos nos esforçar ao máximo para desenvolver uma metodologia própria, onde a ARTE esteja em primeiro lugar!

 
 

– Review SSL Alpha Channel!

 

Poucos equipamentos me impressionaram tanto quanto o “Alpha Channel” da SSL. Já tive a oportunidade de gravar em diversos estúdios utilizando equipamentos top de linha, como o pré amp 2-610 da Universal Audio, Neve 1073 e prés e Equalizadores API. Enfim, grandes marcas consideradas excelentes em qualquer parte do mundo.

O que realmente me impressionou no “Alpha Channel” foi o cuidado com que a Solid State Logic desenvolveu projeto. Vamos tentar disseca-lo!

A linha Xlogic da SSL se propõe a trazer o lendário som das grandes consoles para quem não tem espaço e orçamento para investir nas mesas analógicas, sendo o “Alpha Channel” o channel strip da linha. O projeto traz além da seção de pré amplificador, um equalizador paramétrico de 3 bandas, filtro hi-pass, insert e um recurso chamado “Lite Limit”.

A seção de pré conta com circuito classe A com três opções de filtro hi-pass (40hz, 80hz e 120hz) e um recurso muito útil chamado VHD (variable harmonic drive), que confere um pouco de distorção harmônica ao sinal. Realmente muito interessante! O VHD adiciona brilho e um “calor” ao som e é controlado por um knob que vai de 0 à 11, podendo ser desabilitado colocando-o na marca do 0.

A seção de insert é excelente, pois possui uma chave de IN, podendo ser habilitada ou não. Você pode por exemplo insertar um compressor e com o chaveamento passar ou não o sinal por ele. Além disso, habilitando a chave SUM, temos a opção de processar em paralelo. Ou seja, com o insert ligado + a chave SUM temos dois sinais em parelelo (o original e o processado). Para completar ainda temos a chave POST EQ que habilita o insert depois do equalizador.

A seção de equalização, de três bandas (LF, MF e HF), também possui uma chave IN podendo ser habilitada ou não e o recurso LITE LIMIT, que funciona como um limiter limpo e não prejudica a dinâmica. Muito útil para nivelar um pouco o sinal.

Com o preço por volta de US$1000.00 é uma opção com excelente custo benefício e um equipamento capaz de oferecer uma gama variada e complexa de timbres. 

d_10331